A nossa casa japonesa

IMG_1989

Viver numa machiya foi-nos apresentado como algo a fazer durante a nossa passagem pelo Japão. Em Quioto aproveitámos para conhecer estas casas de arquitectura tradicional japonesa onde viviam os comerciantes e artesãos nos tempos feudais.

A nossa machiya em Quioto é feita, literalmente, de madeira, bambu e papel, com paredes tão finas que quase podemos encenar de forma perfeitamente realista uma das histórias preferidas da Mia: Os Três Porquinhos.

IMG_2001

Entramos por um pequeno jardim comum partilhado com os “vizinhos”. Deslizando a porta de madeira revestida a papel branco, para deixar entrar a luz natural, deixamos os sapatos à entrada e calçamos uns chinelos. Esta é a regra mais importante para entrar numa casa japonesa. O tatami – tipo de esteira tradicionalmente feita de palha de arroz – só pode ser pisado por pés descalços.

IMG_1999

Lá dentro, uma cozinha pequena e, na divisão contígua, separada por outra porta deslizante, uma sala mobilada apenas com uma mesa redonda baixa e um candeeiro no tecto. À noite, a sala transforma-se em quarto quando retiramos dos armários embutidos os futons e as almofadas. A casa de banho e o duche ficam na divisão seguinte, também separada por outra porta.

IMG_1992Cerimónia do chá utilizando o ro, buraco quadrado no tatami, onde está uma superfície aquecida 

IMG_1988A machiya durante o dia…

IMG_1844…e preparada para a noite

Apesar da machiya ser o tradicional japonês, a casa onde ficámos deve ter sofrido um forte upgrade tecnológico pois na cozinha havia um fogão que “falava” e, na casa-de-banho, a sanita – que fez as delícias da Mia – era aquecida e tinha mais botões e funcionalidades que um comando de televisão!

A simplicidade da machiya é encantadora (o preço a que são arrendadas aos estrangeiros nem tanto) e relembra-nos que podemos viver com muito menos do que aquilo que pensamos. De resto, tirando o frio que ainda se faz sentir em Quioto nesta altura do ano – se até nevou! – e entrava pelas frestas das janelas e “paredes”, foi uma experiência memorável.

IMG_1998

IMG_1997O livro “Os Três Porquinhos”, em japonês, que a Mia identificou em segundos numa loja da Estação de Quioto e trouxemos connosco. Nem de propósito, à nossa espera estava a casa de madeira, a tal do segundo porquinho… 

Um pensamento sobre “A nossa casa japonesa

  1. Os tres porqueinhos tb e uma historia muito requisitada e contada ca em casa. A sanita aquecida deve mm ter sido um sucesso 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s