Bem vindos ao (quase) paraíso

13087497_999943153459076_8334071741217701569_n

Segura as cordas com força gentil, sobe mais alto, espera que o vento esteja de feição mas esforça-te também para conseguires balanço, pede ajuda se precisares, deixa-te embalar ao som das ondas e da chuva que cai nas folhas das árvores, se caíres levanta-te… e ri, pula novamente se for essa a tua vontade e continua a tentar, observa o que te rodeia e quem te rodeia com olhos de ver. Respeita a natureza, os bichos, as pessoas. O mundo é um parque de diversões gigante. E está mesmo aqui. Desfruta-o.

De um lado, praias desertas de areia branca debruadas com palmeiras viçosas em linha contínua, mar de águas mornas, coqueiros solitários a pedir para serem fotografados ao pôr do Sol. Do outro lado, floresta tropical ancestral, borboletas azuis gigantes em pleno voo a interromper o chilrear dos pássaros. Parece demasiado perfeito para ser verdade? Então, provalmente é mesmo…

Depois de duas semanas a “comer pó” no deserto australiano apanhámos o avião em Darwin e seguimos até Cairns, a porta de embarque para a Grande Barreira de Coral e de onde parte a maioria dos cruzeiros. Era também esse o nosso objectivo principal, – seguir para a barreira de coral, – mas no início da viagem, ainda em Sidney, um italiano que conhecemos deu-nos várias dicas e o nome de uma terra: Cape Tribulation.

Decidimos, por isso, não aquecer em Cairns, subimos a bordo da mini-caravana que alugámos e arrancámos para a floresta tropical Daintree. Seria a partir do “norte longínquo” do Estado de Queensland, na Austrália, que iríamos explorar a barreira de coral e, por acréscimo, entrar na floresta tropical mais antiga do mundo com algumas árvores que, dizem, são do tempo dos dinossauros.

praia

IMG_6244

IMG_6250

IMG_6255

palmeiras

Saindo de Cairns em direcção a norte, atravessamos o Rio Daintree (partilha o nome com a floresta) a bordo de uma plataforma móvel que chamam de ferry. A extensão de costa que começa a partir daí e segue até Cape Tribulation é magnífica com praias quase perfeitas. O desanimador “quase” chama-se “crocodilos de água salgada” com os quais ninguém quer ter um encontro e existem também, em certas épocas do ano, vespas-do-mar, um género de medusa considerado um dos animais mais venenosos do mundo.

Por isso, escusado será dizer, os banhos no mar são altamente desaconselhados a não ser em áreas delimitadas e protegidas. E, claro, a muitos quilómetros da costa, junto à barreira de coral. Olhando para estas praias e saber que não se pode mergulhar é quase como dizer: “Já viram este paraíso? É todo vosso…mas não, não podem tocar!”

13130825_999369143516477_3054216221076189724_o (1)

13131705_999369313516460_2573782406681169399_oSem poder entrar no mar por causa de crocodilos e vespas-do-mar, a solução é caminhar quilómetros pelas praias de Cape Tribulation, Myall e Cow Bay

IMG_6242

IMG_6252

IMG_6270 (1)

No amor platónico que fomos desenvolvendo pela Floresta Daintree ficámos a saber que aqui vivem centenas de espécies de plantas, aves, insectos e outros animais, alguns dos quais únicos em todo o mundo. Um ecossistema frágil que esteve ameaçado pela exploração de madeira mas agora é protegido como parque nacional e Património Mundial.

Por estarmos numa floresta tropical e tendo em conta a época do ano em que aqui estivemos – Maio – apanhámos quase sempre muita chuva e muito calor. Fazer praia estava fora de questão, aventurar-nos em caminhadas no mato também, por isso a primeira paragem foi o Daintree Discovery Center, um espaço com passadeiras aéreas que nos (e)leva pela floresta. Aqui há também uma torre utilizada para estudar os níveis de carbono, informação sobre aquecimento global, conservação da floresta e, claro, sobre os animais.

IMG_5717

A Mia vibrou com as borboletas, insectos, crocodilos e o surpreendente casuar, uma ave de grande porte da família da avestruz e da ema mas que se destaca pelas penas coloridas junto ao pescoço. E ficou muito curiosa ao ver um vídeo e perceber que o casuar come diversos frutos e quando os “devolve” à natureza as sementes estão intactas, desempenhando assim a importante função ecológica de dispersar as sementes das árvores pela floresta. Esta espécie está ameaçada de extinção e crê-se que devem existir menos de mil em toda a região Norte de Queensland.

Os dias passam e a Mia não se esquece do casuar e das “casuárias” (não sei se a palavra existe mas para ela o feminino de casuar é casuária e pronto).

discover

IMG_6259

IMG_6251

IMG_6260O casuar, vital para o ecossistema da floresta de Daintree, corre perigo de extinção

Esse interesse manteve-se quando visitámos o desfiladeiro Mossman Gorge, na parte Sul da floresta e local muito importante e tradicional para o povo Kuku Yalanji. Este desfiladeiro foi esculpido pelo rio Mossman dando origem a um vale cheio de rochas e pedras cobertas por águas cristalinas. Recomendaram-nos fazer aqui um passeio com um guarda local do parque. Hesitamos sempre em fazer visitas guiadas que sejam longas. A Mia poderá aborrecer-se e, como estamos na companhia de um grupo de desconhecidos, torna-se desagradável para os outros lidar com uma criança que não está para ali virada. Arriscámos em Mossman fazer uma visita guiada pela floresta e, mais uma vez, correu muito bem.

Ao longo de duas horas a Mia ficou completamente cativada pelo guia, descendente de aborígenes, que nos ia explicando muitos dos rituais utilizados pelo seu povo na floresta. Ela lá ia seguindo tudo atentamente, pedindo a devida tradução, lançando perguntas… Vibrou com as tintas naturais usadas para pintar o corpo, com os instrumentos de música e de combate, com as cabanas construídas para abrigo. Estava perfeitamente integrada no grupo e portou-se à altura. Está uma crescida esta miúda.

IMG_6272

IMG_6248

tintas

IMG_6247

IMG_1786

IMG_6243

IMG_6245A aprender a ler mapas

IMG_6254

Os inquilinos mais assustadores da floresta tropical de Daintree

IMG_6246

Ir a uma floresta tropical e não provar alguns frutos tropicais era imperdoável. Numa fazenda da Daintree reencontrámos frutos já conhecidos de outros lugares exóticos e fomos apresentados a mais. Curiosamente, nenhum dos frutos que provámos tem origem na Austrália. Talvez os frutos e as pessoas tenham isso em comum: chegam vindos de outros sítios do mundo, dão-se bem com o clima, abraçam a terra, prosperam e criam novas raízes.

Quem cuida destas árvores trabalha para o nicho de mercado das populações de asiáticos, africanos e habitantes das ilhas do Pacífico que vivem na Austrália e utilizam estes frutos no seu dia-a-dia. O resto da população estranha as formas, as cores, o aspecto, desconhece como abri-los e prepará-los. Por várias vezes também passei, desconfiada, pelas bancas de mercados com frutos de formas e cores tais que era impossível adivinhar o conteúdo. Conselho: vale a pena arriscar!

frutas blog

Em cima, da esquerda para a direita, está a Carambola, o fruto em forma de estrela, sabor agridoce, parece feita de plástico, vem da Ásia; Fruta-pinha ou fruta-do-conde; Mix de frutas; Fruta-Dragão, a mais bonita para a Mia, a fruta cor-de-rosa que sabe a refresco.

No lado esquerdo estão as Longanas, casca fina e dura, polpa branca, macia e suculenta, Ásia. Na foto central em destaque a Fruta-pão, a mais polivalente, a que conhecemos melhor de Angola e São Tomé e Príncipe. Deliciosa servida como “batatas-fritas”.

Do lado direito está o Durião, a maior descoberta, o rei das frutas, suculento, há quem não queira nada com ele por causa do cheiro mas é absolutamente delicioso, vem da Ásia. Para ver o fruto por fora reparem na foto central: é o fruto maior a seguir à Fruta-pão.

Na linha de baixo, Fruta-milagrosa, pequenas bagas rosa escuro, África. Se comermos esta baga e depois chuparmos um limão, por mais amargo e azedo que seja, vamos ficar com um gosto muito doce na boca. O efeito prolonga-se por algumas horas e mesmo a água ingerida depois desta fruta fica adocicada; ao lado está a Matissia e depois o curioso Rambutan que os chineses particularmente adoram e dizem que dá sorte por ser vermelho. Também é uma delícia.

Apesar das cerejas, dos figos e dos pêssegos, impossível não me lembrar deste poema:

“Que frutos feios os da Europa:

Não têm nome, nem têm cor,

Não têm cheiro, nem sabor.

Maracujá maboque

Abacate sapessape

Soam redondos na boca,

Cheiram nos olhos e na memória

Sôfrega,

Sôfrega”

António Cardoso, Angola

IMG_6256

Outra das actividades preferidas da Mia na Daintree foi…subir às palmeiras…Está a ficar especialista. Podem tirar uma miúda de África mas não tiram África de uma miúda…

trepar

Dicas práticas – Daintree Forest

Como ir:

Não há transportes públicos a operar em Cape Tribulation. A melhor solução é alugar viatura ou ir à Daintree através de uma excursão contratada em Cairns ou Port Douglas. Para Norte de Cape Tribulation – não fomos – só é permitido circular veículos 4X4.

IMG_6261

Onde ficar:

Nós ficámos a acampar mesmo na praia no Cape Tribulation Camping – óptimas pizzas em forno de lenha! – mas existem várias opções de alojamento em toda a extensão da Daintree.

IMG_6258

cadeiras

IMG_6253

O que fazer (além de apanhar um barco para mergulhar na Grande Barreira de Coral):

IMG_1658

  • E conduzir com muito cuidado para não atropelar nenhum(a) casuar! Estas aves são mesmo importantes para o ecossistema da floresta e estão em extinção.

IMG_1688

P.s. Sobre as nossas duas inesquecíveis incursões à Grande Barreira de Coral – não é todos os dias que conseguimos nadar ao lado de tartarugas e de tubarões bebés, certo? – fica para contar logo que estejam reveladas as fotografias das máquinas descartáveis à prova de água com que mergulhámos. Também é preciso algum tempo para assimilar uma das melhores experiências da nossa vida…

IMG_6266

3 pensamentos sobre “Bem vindos ao (quase) paraíso

  1. Cláudia Cláudio

    Caramba! Fico sem palavras ❤

    Gostar

  2. Que maravilha! E a Mia que grande que está!!! Continuem que estou a gostar e desejosa de ver essas fotos com as tartarugas e os tubarões bébés :*

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s