EUA: a magia do Antelope Canyon

ANTELOPE CANYON

O Antelope Canyon, situado numa reserva de índios navajo a cerca de três horas de carro do famoso e icónico Grand Canyon, no Arizona, é um desses lugares do mundo onde pensamos: mas esta beleza existe mesmo?! Será possível que estava aqui à espera de ser por nós conhecida?!

Durante milhões de anos a água e o vento esculpiram a areia dando origem a uma formação rochosa inusitada, uma espécie de duna de pedra, uma obra-prima da natureza. Por aqui correram um dia manadas de antílopes que deram nome ao local mas o povo navajo chama-lhe Tse’ bighanilini, “o lugar onde a água flui entre as rochas”. E de tanto a água fluir criou remoinhos e espirais que ficaram cravados na pedra.

Para conhecer este sítio com enorme significado espiritual para os índios navajo temos de descer e entrar terra adentro. Neste local abrigaram-se do calor do deserto e mataram a sede muitas gerações de índios. Nas entranhas da terra espera-nos uma espécie de garganta muito estreita e ondulante que percorremos ao longo de quase hora e meia em compasso (muito) lento. Por momentos, se conseguirmos ouvir o silêncio, parece que estamos numa catedral construída pelas forças da natureza.

Quando o sol do meio-dia está a pique penetra pelas frestas criando um jogo de luzes e sombras que é o delírio para qualquer fotógrafo ou apenas para um comum apreciador da natureza. As formas ondulantes, a paleta de cores entre o amarelo, o laranja, o castanho e o roxo, as texturas marcadas pela água, pelo vento e pelo tempo, são de uma beleza única, uma rocha feita poema. Um poema que está em mutação permanente e todos os dias transforma-se mais um pouco.

IMG_8763

13582179_1042144909238900_2940582496864999218_o

13559172_1042144979238893_6566044373353652463_o

13528037_1042145082572216_4781550629121037274_o

13522703_1042145185905539_1591383936079179089_o

image(19)

13580653_1042145359238855_6424498701635136837_o

Este lugar é formado pela zona superior e inferior: o Upper Antelope Canyon – o mais popular e que fica à superfície – e o Lower Antelope Canyon – onde é preciso descer por umas escadas metálicas. Optámos por fazer este último, o Lower Antelope Canyon, e gostámos da escolha. As visitas são guiadas e é preciso ter hora marcada mas na época alta há grupos a sair de 20 em 20 minutos.

A melhor altura para visitar o Antelope Canyon é por volta do meio-dia nos meses de Junho a Setembro, o que coincidiu com a nossa ida. O único problema é que esta é também a época alta e a multidão que se junta no espaço é demasiada. Estão (estamos) todos tão obcecados em tirar milhentas fotografias que nessa voragem quase que se arruina uma caminhada que tem tudo para ser mágica e inesquecível. Quase…

Ficámos tão fascinados com este lugar que já pensamos em voltar daqui a uns anos. Nessa altura queremos ir a um outro sítio semelhante ao Antelope Canyon e que fica a alguns quilómetros de distância. Chama-se The Wave – “a onda”, procurem aqui e pasmem-se – e é também uma formação rochosa mas mais frágil e com um acesso muito mais difícil. Por tudo isso só pode ser visitada por um número muito limitado de pessoas que são escolhidas por sorteio. As inscrições podem ser feitas online com 4 meses de antecedência (!) ou presencialmente, na véspera do passeio.

Ainda pensámos ir a Kanab (na verdade estivemos lá) para nos inscrevermos e tentar a nossa sorte mas as temperaturas muito elevadas, o facto da Mia ser tão pequena, e a pouca probabilidade de nos sair a lotaria – em média, há uma centena de pessoas a disputar 10 lugares – fizeram-nos pensar que era melhor esta “onda” ser apanhada outro dia.

Se por acaso forem lá, contem-me tudo depois.

13576886_1042145479238843_7949499950157694345_o

13582145_1042145612572163_2031121117529527308_o

13495492_1042145892572135_7780897775919989073_o

13528328_1042146132572111_3979082862818723973_o

13528310_1042146262572098_5851053548428962421_o

13576839_1042146522572072_6891325738032466774_o

13576845_1042146685905389_3904175474173738503_o

Dicas práticas

Como ir:

A melhor forma é ir de carro partindo de Las Vegas, como fizemos, passando pelo Grand Canyon em direcção à cidade de Page. Foi aqui que dormimos num dos vários motéis de estrada que existem na região e seguimos de manhã para o Antelope Canyon. Chegámos atrasados, depois da hora marcada mas conseguiram juntar-nos a um grupo que partia mais tarde e apanhámos mesmo o Sol do meio-dia. Do Grand Canyon até Page são cerca de 3 horas de viagem.

Como visitar:

Existem várias agências a conduzir visitas guiadas ao Antelope Canyon. Além do preço da tour – entre os 20 e os 100 dólares – é preciso pagar uma taxa de entrada em território dos índios navajo – a chamada Navajo Nation.

Nós fizemos por esta empresa, uma das mais baratas, o guia era cinco estrelas e deu-nos muitas dicas para as fotografias. O único problema é que, de facto, o canyon é pequeno para tanta procura e na maior parte do tempo estamos ou a atropelar alguém ou a ser atropelados.

Ir com crianças:

O passeio é relativamente curto e faz-se muito tranquilamente, apesar das elevadas temperaturas desta altura do ano. A Mia adorou esgueirar-se pelas passagens mais estreitas e, tal como nós, só no final demonstrou cansaço do pára-arranca causado pela multidão em fúria fotográfica. Até aos 6 anos as crianças não pagam e a partir dessa idade pagam metade.

O que levar:

Tripé! As fotografias ficam muito melhores. Nós não tinhamos e, por isso, as melhores fotos são as que tirámos com o telemóvel. Existem visitas específicas para fotógrafos – profissionais e amadores – e, nesses casos, é mesmo obrigatório levar tripé.

Inspiração:

Em terra de índios navajo é famoso um poema que começa com o verso “May I walk in beauty” e fala da nossa caminhada pelo mundo com desejos de que a beleza esteja sempre presente na nossa vida, em tudo aquilo que nos propomos fazer. Termino a nossa passagem pelo Antelope Canyon com uma versão, escrita para a Mia, dessa prece.

IMG_8762

Pudesse ela sempre caminhar na beleza

Pudesse ela sempre brincar às escondidas como a luz e a sombra brincam neste desfiladeiro em terra de índios

Pudesse ela sempre vaguear numa duna esculpida por água e vento que o tempo petrificou

Pudesse ela sempre sentir os meus dedos entrelaçados nos dela

Pudesse ela viver rodeada de beleza por todos os lados. Sempre.

IMG_8770

4 pensamentos sobre “EUA: a magia do Antelope Canyon

  1. Brutal! Verdadeiros wallpapers 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s